quinta-feira, fevereiro 26, 2009

Borboletas no ventre

Por que, para algumas pessoas, a volta à cidade natal é sempre uma experiência estranha e desconfortável de contato com o passado?

7 comentários:

Lilly disse...

Talvez por que crescemos e recebemos ao longo da infância e da adolescência rótulos internos e externos. Ao mudarmos, ganhamos a oportunidade de reescrever a história, ou melhor, de reiniciar de um ponto novo, criando uma nova imagem. Quando voltamos à cidade natal, os velhos rótulos nos assombram em algum canto da mente, mesmo que conscientemente não sejam notados. Olha, de certa forma falei sobre isso hoje.

Beijos.

Udo disse...

Não penso ter esse problema com Porto Alegre, pelo menos não dessa forma. Minha cidade natal me forjou, mas não tão negativamente. Não me sinto desconfortável nela, a não ser quando penso que ela tem prédios antigos... e que eles já eram antigos naquela época, talvez. Talvez eu até a ache perfeita, nalgum lugar...
O passado vai passando cada vez mais e não pára. Com que tintas eu a pintarei mais tarde???
bj
u.

Lívia Araújo disse...

Os comentários estão maiores que o meu post, rsss. Udo, eu não me sinto desconfortável com tudo. A cidade, em si, aliás, é a melhor parte. O buraco é mais embaixo, mesmo.
Eu acho Porto Alegre linda. E quanto mais referência antiga ela me dá, mais eu gosto.

Renato disse...

Estranha e desconfortável? Será que há algo inacabado, interrompido? Ou é a constatação que você cresceu e ficou maior que a cidade que conhecia?

Lívia Araújo disse...

Renato, acho que é tanto uma coisa quanto outra. É muita coisa junta nessa cidade pequena de sentimentos grandes. Ui. ;-)

Naninha disse...

Eu prefiro que as coisas fiquem como na minha imaginacao... tudo é tao grande quando somos criancas..

Lili Cheveux de Feu disse...

eu, como moro e tento viver na cidade onde nasci, e, diga-se de passagem não gosto quase nada de ser assim, sinto um desconforto total quando chego aqui voltando das viagens... tem a saudade do povo. e só.