sexta-feira, abril 25, 2008

Liquidificador

Quietinha, fim da tarde, uma coceira por dentro do peito. O nome disso é ansiedade. No imediato, nada a acontecer, nada - que eu saiba, e o que eu não sei é infinito - por vir, mas esse bicho, que sou eu mesma, consome o algodão-doce da tranqüilidade que mora aqui dentro. Ele come devagar, mas esse mastigar moroso tem uma saliva corrosiva que vai lentamente se embrenhando em cada fibra e, como milagre, uma hora isso tudo passa. Acho que tem um porvir, na verdade, há um "por ir" e ir implica, daqui a poucos dias, passar por essa pinguela de madeira frágil que me leva aos 30. Sem nada depois. São 30 anos, mas podem ser 30 idéias, 30 vidas, 30 histórias, 30 dias, 30 minutos.

2 comentários:

belly disse...

Pelo menos a ansiedade que come o algodão-doce da tranqüilidade com sua saliva corrosiva (ah como eu queria ter escrito isso) faz você escrever esses textos fantásticos. Me luvs.

samya disse...

Eh hoje o dia? 29/04? Descobri la no blog das gorduchas.
Um abraço imenso para você cheio de admiração e desejando tudo o que te faça feliz.