sábado, setembro 23, 2006

Déjeuner sur l'herbe



Um pouco de sono me pesando de leve os olhos. Logo voltarei a usar óculos, agora de armação branca, pra dar moldura clean à minha miopia.
Quarta-feira escrevi uma carta de amor, ridícula como sói só a elas.
Hoje passei o dia entre bocejos e uma alegria que me revirava de prazer as entranhas, uma alegria egoisticamente sentida, como um maço de dinheiro que se tirasse do bolso de vez em quando, para contar as cédulas novas e voltar a guardá-las no bolso. Peguei dez reais e fui ao café da esquina: comi um pão de queijo, uma fatia de cheesecake, tomei um espresso e uma água. Depois peguei o ônibus para voltar para casa.
Fiz muito carinho na barriga do meu gato.

E essa é a minha vida neste início de primavera.

Um comentário:

loucuras filosóficas e afins disse...

tem coisa melhor que carta de amor bem bem bem ridícula???
é tudibom :-)